Arquivo do blog

domingo, 6 de agosto de 2017

Eu voltei a escutar Xuxa.Lá em casa , antigamente.Com um pé de mamão eu e o disco de vinil que ele me deu.Lembro da Tv Colosso e de Mara - Maravilha.Assistia Tv Cruj e montava um castelo com as almofadas retangulares do quarto onde eu morei quando meu pai se separou de minha mãe.Isso já faz um bom tempo.
Eu às vezes assistia X Tudo, com um tema impressionante.E na manchete,bem pequeno me lembro de pegar alguns epísodios de desenho.Quando começou a Eliana e Angélica, eu não lembro muito bem.Só lembro de Mara-Maravilha subindo em um degrau imenso e se despedindo.O tempo foi passando.Eu acho que fiquei algum periodo sem ver TV.No SBT eu assistia desde o início até o final, não me lembro agora o nome do programa, mas, nesse instante me lembrei.A hora Warner.Era muito cedo pra mim.Muito desenho, desenho, desenho.Até que eu mudei de emissora.A tarde, Record.Meu pai em casa e eu assistindo Pokemon e um desenho de uns animais robóticos.Me perdi nesse meio.Nunca acompanhei Malhação. Preferia Bambuluar, mas o programa também acabou.

Um Café com Lebron


Um galão de diesel – James Hunt:
- “O presente é a chave do passado”. Entretanto, cabia nas entrelinhas o olhar escondido, em céu, estrelas. Saiu de um buraquinho e se não tinha vida, ainda contudo, carregava esperança.
- Avistei isso num jornal, quer dizer em um periódico. Ou seria melhor em um jornal, uma revista. Ainda que fosse pequeno com uma Boceta arranhada. Amarrada em provisões, ou previsões.
-Provisões. Ela me disse. Olhei no dicionário, logo em seguida. Ela tinha a capacidade de manjar de muita coisa, mas um dia travou.
-Eu fiquei rindo. Tirou os tênis dos pés e sentou em cima da mesa. Enquanto isso, eu ia de encontro a uma avenida que poderia ser à entrada de um novo canteiro de obras.
“- É um assalto”. A plenitude dos meus devaneios.
Levou aquilo que foi presente.
- E que presente. Ela Valentina sozinha empunhando facas, contra a parede.
Comentaram alguns sobre a peça e tornaram aos copos.
- O show acabou. Fecharam as cortinas para mais outra que serviria no palco.
- Tocaram no machado, por Deus, tocaram no MACHADO. E gritaram,
- A arte segura o mundo!
E no caminho disso tudo, mais uma dessas que acontece. Devagar, respirando sendo si mesma: A verdadeira beleza exposta em véu e grinalda.
-Carambolas a álcool motor. Eu vi uma e entrei pra casa. Vai se saber o que passa ne uma dessas.






quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Contra a vastidão dos teus olhares
Imperativas frases de uma vitrine e
Olhares curiosos assombram as fai-
xadas dessas que escapa em muro
fino o espectro de uma ondulação e
a isso chamamos patina e a aquela
que o coloriu chamamos fúteis e pa
ra aquele que sorriu denominamos e
colocamos exposta a frente um muro
e cercas ,portões, tijolos e não mais
que isso, o resto da casa é propria

sábado, 29 de julho de 2017

Tenho pensado em escrever sem parar.Mas, como as coisas estão, e quando falo isso, é porque como dizem, A gente semeia e algumas viram trigo e outras joio.Eu estou sem tempo para acabar mais um livro de poemas, sem tempo pra continuar os contos e com atividades para produzir e estuda, a Editora Gráfica e um bachalerado a conquistar, concomitantemente.Ademais, gostaria de novamente agradecer as visualizações e em breve, a circulação pequeno volume e baixo preço Ahealética ou se preferirem , ainda que sem registro do nome da mesma estará em circulação.Não sei de que forma isso será posto aqui.Talvez em PDF, ou de outra forma.Isso complica um pouco o processo devido a questão da disuputa de mercado comigo mesmo.Talvez seja necesário um apoio e publicidade.
Então,é isso!

Sexy por nada!

sexta-feira, 28 de julho de 2017


Primeira participação nessa modalidade. Já tenho o conto selecionado e assim que possível entro em acordo.

Minha filosofia

Minha filosofia é de cadeia
De gente ingente jogado as
traças pelas sociedade, ela
veio depois de um tempo
E acho que não vai mais em-
bora e junto com ela eu fi
quei preso e ficarei o passar 
dos anos, talvez até na solitá
ria.Minha filosofia não vem
do gueto ou sequer da comu
nade ,eu abordei desde ce-
do e estou preso a margina
lidade, tomando batida de li-
mão em meu quarto com o
sol e as grades de uma cama
O mal do século e a depressão

Em análise simples, no final e início do século XXI, a constituição seguindo seu progresso como prevendo a necessidade da mudança nas formas de trabalho, segurança às adequações do estilo de vida compreendido pelos avanços tecnológicos, se impregnou em aplicar soluções para também estar de acordo com as vigentes normas de sustentabilidade e necessidade a respeito da saúde.
Uma das características foi a ordem do segmento que se tornou o berço de uma economia ativa, contudo o significado da individualidade foi incompreendido sendo necessário, resgatar uma fôrma para solucionar os problemas. Estes quadros de saúde se repartiram em vários tipos, que ainda persistem e foram carregados até o final de sua resolução.
Analise os prédios e suas construções e logo em seguida, as movimentações que se sucedem no decorrer do século XX.Um final, proposto a partir dos anos 80 e sua capacidade de inovação e criação.Entretanto, o restante do movimento alcançou grandes feitos, mas devolveu a mão à palmatória, sendo seguido pela corrente que iniciou como vanguarda o idealismo premeditado e não concluído.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Poucos poetas maltratados
Loucos em pedras esmurra-
dos casos inacabados nego-
Cios business enlouquecidos
Enfarpados em vassalos com
medidos, enfurece, entristece
Se alegra – vos que sois, em
Ditongos tritongos equiláteros